Corpo como potência e experiência na perspectiva de crianças pequenas: diálogos possíveis entre Filosofia e Educação Infantil

Childhood and Philosophy 8 (16):327-353 (2012)

Abstract
O presente texto procura colocar em diálogo reflexões do campo da Filosofia da Infância com os da Educação Infantil. Além das contribuições teóricas pretende fazer conexões com situações observadas em uma pesquisa de doutorado na qual as relações com o espaço e o tempo são entrelaçadas com as do corpo como experiência que surgem nas relações que as crianças estabelecem com seus machucados, ou como elas definem, seus ‘dodóis’. Nessas relações duas particularidades podem ser observadas: uma primeira é que as crianças percebem o corpo como uma experiência contextualizada com o mundo social e material, ou seja, elas não percebem seus corpos separados dos espaços. Uma segunda particularidade é que as crianças trazem a possibilidade do tempo aión como uma aproximação à experiência, uma compreensão do tempo entrelaçado com pessoas, espaços, lugares e ações em que evidencia também relações, emoções e encontros. Dando seqüência as reflexões o texto pretende trazer para o diálogo também situações nas quais são tema entre as crianças as expressões dos sentimentos e das emoções e ainda situações que envolvem suas excreções como as ‘melecas’ e os ‘ranhos’ trazendo uma potencialidade para se pensar as relações entre corpo, infância e educação. A partir da compreensão de uma infância como experiência, como acontecimento que rompe com a história, pretende pensar indicações para uma infância da educação e não já apenas uma educação da infância. Essa necessidade de se pensar uma infância da educação, e não já apenas uma educação da infância parece simples, mas requer um outro ‘olhar’, requer ‘jogar fora’, ou pelo menos questionar, problematizar parte de nossa história para que seja possível pensar em condições de outras ordens, outros valores, enfim, outra educação. Ou seja, uma educação, em que se ‘olha’ não apenas os processos de desenvolvimento das crianças, mas também os seus conhecimentos, as suas produções, as suas manifestações, as suas preferências, as suas interações e particularmente as suas experiências
Keywords Early Childhood Education, Philosophy of Childhood, experience, potency, body.  Educación Preescolar, Filosofía de la infancia, experiencia, potencia, cuerpo
Categories (categorize this paper)
Reprint years 2013
Options
Edit this record
Mark as duplicate
Export citation
Find it on Scholar
Request removal from index
Translate to english
Revision history

Download options

Our Archive


Upload a copy of this paper     Check publisher's policy     Papers currently archived: 46,425
External links

Setup an account with your affiliations in order to access resources via your University's proxy server
Configure custom proxy (use this if your affiliation does not provide a proxy)
Through your library

References found in this work BETA

No references found.

Add more references

Citations of this work BETA

No citations found.

Add more citations

Similar books and articles

Overflowing Every Idea of Age, Very Young Children as Educators.Nina Johannesen - 2013 - Studies in Philosophy and Education 32 (3):285-296.
Narrative Identity and Early Childhood Education.Sandy Farquhar - 2012 - Educational Philosophy and Theory 44 (3):289-301.
Ethics and the Early Childhood Educator: Using the Naeyc Code.Stephanie Feeney - 2005 - National Association for the Education of Young Children.
Early Childhood Practice: Froebel Today.Tina Bruce (ed.) - 2012 - Sage Publications.

Analytics

Added to PP index
2013-03-27

Total views
19 ( #486,420 of 2,286,366 )

Recent downloads (6 months)
1 ( #853,841 of 2,286,366 )

How can I increase my downloads?

Downloads

My notes

Sign in to use this feature