In Pedro Galvão (ed.), Filosofia: Uma Introdução por Disciplinas. Edições 70 (2012)

Authors
Manuel García-Carpintero
Universitat de Barcelona
Teresa Marques
Universitat de Barcelona
Abstract
A filosofia da linguagem dedica-se ao estudo da linguagem natural. Não se dedica ao estudo de línguas particulares, tal como o português, o castelhano ou o inglês, mas sim ao estudo filosófico de características gerais da linguagem e da nossa capacidade e proficiência linguística enquanto seres humanos. A investigação do desenvolvimento da linguagem é uma tarefa a ser desenvolvida pela ciência – a paleontologia, a neurologia, etc. Mas a ciência ocupa-se de algo de que temos um conhecimento intuitivo prévio – a linguagem natural. Ora, a filosofia da linguagem dedica-se em parte a tornar explícito o nosso conhecimento implícito da linguagem. Como tal, a filosofia da linguagem é uma disciplina central na filosofia. Este capítulo é uma introdução selectiva à filosofia da linguagem. A alternativa que se nos deparava era fazer uma breve apresentação de teorias do significado, da referência e da verdade, e ainda de alguns tópicos de pragmática, ou escolher um tópico em particular que é, tradicionalmente, o elegido nos cursos introdutórios à filosofia da linguagem. Este capítulo oferece assim uma introdução a alguns dos temas centrais e clássicos da filosofia da linguagem contemporânea. A maior parte do capítulo dedicar-se-á a teorias da referência, a de Frege e de Russell, e à sua crítica subsequente por filósofos como Saul Kripke. Isto poderia levar-nos a pensar que a filosofia da linguagem contemporânea continua, como era tradicional, focada simplificada da relação entre linguagem, mente e mundo. Nada podia estar mais longe da verdade, como se tornará claro. A grande alteração na perspectiva sobre o estudo da linguagem, que se deve a pessoas como Frege ou Russell, é que graças ao seu trabalho os filósofos passaram a reflectir sobre a contribuição semântica sistematicamente feita por diferentes categorias sintácticas nas diferentes construções frásicas em que possam ocorrer, por exemplo a de termos referenciais como os nomes próprios. A relação linguagem-mente-mundo continua a ser uma preocupação dos filósofos contemporâneos, mas de uma forma muito mais sofisticada, rigorosa e sistemática. Os filósofos preocupam-se agora, por exemplo, com as condições de verdade correctas de usos particulares de frases, com os estados de coisas reais ou possíveis que confeririam verdade ou falsidade às frases usadas, e com o valor cognitivo de distintos tipos de frases. Como indicaremos na última secção do capítulo, outros desenvolvimentos da filosofia da linguagem contemporânea dizem respeito àquilo que nós, enquanto seres humanos, conseguimos fazer por meio da linguagem, aos diferentes actos de fala possíveis, e aos diferentes níveis de significado que podemos comunicar por meio do uso de frases com um significado convencionalmente estabelecido.
Keywords Philosophy of Language
Categories (categorize this paper)
Buy the book Find it on Amazon.com
Options
Edit this record
Mark as duplicate
Export citation
Find it on Scholar
Request removal from index
Translate to english
Revision history

Download options

PhilArchive copy

 PhilArchive page | Other versions
External links

Setup an account with your affiliations in order to access resources via your University's proxy server
Configure custom proxy (use this if your affiliation does not provide a proxy)
Through your library

References found in this work BETA

From a Logical Point of View.W. V. O. Quine - 1953 - Harvard University Press.
On Denoting.Bertrand Russell - 1905 - Mind 14 (56):479-493.
Reference and Definite Descriptions.Keith S. Donnellan - 1966 - Philosophical Review 75 (3):281-304.

View all 19 references / Add more references

Citations of this work BETA

No citations found.

Add more citations

Similar books and articles

Tradução: Fragmento sobre música e linguagem.Theodor Adorno - 2008 - Trans/Form/Ação 31 (2):167-171.
Linguagem, educação e TICs.Diego Chiapinoto - 2010 - Conjectura: Filosofia E Educação 15 (2):71-79.
Como fazer coisas-em-si com palavras.Julio Cabrera - 1996 - Philósophos - Revista de Filosofia 1 (1):98-119.
Os limites da expressão. Linguagem e realidade em Schopenhauer.Jair Barboza - 2005 - Veritas – Revista de Filosofia da Pucrs 50 (1):127-135.
O logos em Heidegger: lógica, verdade e metafísica.Jaqueline Stefani - 2009 - Conjectura: Filosofia E Educação 14 (1):47-61.

Analytics

Added to PP index
2014-12-19

Total views
1,501 ( #2,453 of 2,426,097 )

Recent downloads (6 months)
83 ( #8,390 of 2,426,097 )

How can I increase my downloads?

Downloads

My notes