Trans/Form/Ação 35 (2):199-237 (2012)

Authors
Alberto Oliva
Universidade Federal do Rio de Janeiro
Abstract
Este artigo se ocupa de questões metafilosóficas. Nele, discutiremos as razões que fazem com que a filosofia, diferentemente da ciência, problematize a si mesma como empreendimento cognitivo. Em particular, procuraremos identificar como e por que a filosofia acaba se constituindo em problema para si mesma. À exceção das ciências sociais onde há estudos críticos do tipo sociologia da sociologia, a ciência em geral não põe em discussão a si mesma. Raros são os casos em que a ciência chega ao extremo de questionar a própria cognitividade. A filosofia, em alguns de seus mais lúcidos e profícuos exercícios, não se furta a se avaliar como projeto cognitivo. Com esse tipo de preocupação metafilosófica, nosso artigo questionará a pretensão das grandes filosofias de protagonizar revoluções. Defenderemos a tese de que inexistem as revoluções postuladas pelos filósofos, destacando que a incomensurabilidade subsistente entre as filosofias não é provocada por rupturas conceituais ou explicativas e sim pela adoção de diferentes pressuposições absolutas, conforme definidas por Collingwood
Keywords Essencialismo. Justificação epistêmica. Incomensurabilidade
Categories (categorize this paper)
DOI 10.1590/S0101-31732012000200011
Options
Edit this record
Mark as duplicate
Export citation
Find it on Scholar
Request removal from index
Translate to english
Revision history

Download options

PhilArchive copy


Upload a copy of this paper     Check publisher's policy     Papers currently archived: 60,795
External links

Setup an account with your affiliations in order to access resources via your University's proxy server
Configure custom proxy (use this if your affiliation does not provide a proxy)
Through your library

References found in this work BETA

No references found.

Add more references

Citations of this work BETA

No citations found.

Add more citations

Similar books and articles

La Filosofía y las Filosofías.Adolfo Muñoz-Alonso - 1955 - Revista Portuguesa de Filosofia 11 (3/4):41 - 44.
Tomás de Aquino no Diálogo das Filosofias.Celestino Pires - 1975 - Revista Portuguesa de Filosofia 31 (2):169 - 178.
Filosofias Portuguesa E Brasileira Convergências E Peculiaridades.António Paim - 1982 - Revista Portuguesa de Filosofia 38 (4):91 - 95.
Uma renovada relação entre a Filosofia e a Teologia.Joaquim Cardozo Duarte - 1982 - Revista Portuguesa de Filosofia 38 (4):299 - 304.
O Conflito Entre a Filosofia e a Retórica na Obra de Francisco Sanches.Pedro Calafate - 1995 - Revista Portuguesa de Filosofia 51 (3/4):417 - 426.
Afinidade entre Medicina e Filosofia.Adelino Cardoso & Manuel Silvério Marques - 2010 - Revista Portuguesa de Filosofia 66 (1):7 - 8.
Montaigne e Sócrates: Cepticismo, Conhecimento e Virtude.Celso Martins Azar Filho - 2002 - Revista Portuguesa de Filosofia 58 (4):829 - 845.

Analytics

Added to PP index
2013-10-31

Total views
50 ( #207,744 of 60,784 )

Recent downloads (6 months)
1 ( #436,491 of 60,784 )

How can I increase my downloads?

Downloads

My notes