Cartografia como estratégia metodológica: inflexões para pesquisas em educação // Cartography as methodological strategy: inflections for research in education

Conjectura: Filosofia E Educação 19 (3):185-198 (2014)

Abstract
O presente artigo objetiva refletir acerca de possíveis inflexões ofertadas pela proposta metodológica amplamente conhecida como Cartografia. Procurando cumprir tal intuito, primeiramente explanaremos minimamente de que se trata a perspectiva cartográfica e em que ela difere de outros modos de fazer pesquisa, baseados, sobretudo, pelo impacto epistemológico conduzido por Deleuze & Guattari – propositores desse conceito – no campo da filosofia e que acaba por respingar no que concerne à produção investigativa na área das Ciências Humanas em geral e especialmente no campo da Educação. Nesse sentido, o conceito de Rizoma proposto pelos autores pode ser útil para entendermos de que se trata tal giro filosófico/epistemológico. Posteriormente, utilizando como motor reflexivo a imagem da intervenção artística “Espiral do Conhecimento” de André Dalmazzo – intervenção esta proposta em uma aula de Metodologia da Pesquisa em Educação – pretendemos inferir algumas noções e estender nossa reflexão acerca de inflexões que pesquisas em educação permeadas por traços metodológicos cartográficos parecem apresentar. Três questões/inflexões foram selecionadas para serem desenvolvidas no texto, a partir do evento citado. São elas: primeiramente o incômodo causado na turma mediante uma situação inusitada, a seguir a questão de que para cada um que se embrenhou no espaço da sala de aula tomada pela intervenção artística “Espiral do Conhecimento” a experiência ocorreu de uma forma, contudo, fazer tal afirmativa não se trata de reduzir os pontos de vista a mero subjetivismo e, finalmente, a questão/inflexão que nos parece cintilar da experiência relatada diz respeito à complexidade do evento de pesquisar e à construção investigativa como uma produção a partir de fragmentos, sobras, vestígios. Desses três apontamentos concluímos que a Cartografia como estratégia metodológica parece criar inflexões de acordo com os terrenos múltiplos que o pesquisador encontra, desdobrando-se por esferas e caminhos que oferecem material para a produção de sentidos e composições diversos.
Keywords No keywords specified (fix it)
Categories (categorize this paper)
Options
Edit this record
Mark as duplicate
Export citation
Find it on Scholar
Request removal from index
Translate to english
Revision history

Download options

Our Archive


Upload a copy of this paper     Check publisher's policy     Papers currently archived: 47,122
External links

Setup an account with your affiliations in order to access resources via your University's proxy server
Configure custom proxy (use this if your affiliation does not provide a proxy)
Through your library

References found in this work BETA

No references found.

Add more references

Citations of this work BETA

No citations found.

Add more citations

Similar books and articles

O cotidiano como fonte de pesquisa nas ciências sociais.Nilda Stecanela - 2009 - Conjectura: Filosofia E Educação 14 (1):63-75.
Direitos humanos na educação: superar os desafios.Karen Franklin - 2009 - Conjectura: Filosofia E Educação 14 (3):125-144.

Analytics

Added to PP index
2014-11-06

Total views
11 ( #737,873 of 2,289,307 )

Recent downloads (6 months)
2 ( #589,325 of 2,289,307 )

How can I increase my downloads?

Downloads

My notes

Sign in to use this feature