Liberdade é Trabalho e Cansaço: contribuições para o debate sobre interseccionalidade

Odeere 6 (1):67-83 (2021)
  Copy   BIBTEX

Abstract

O presente artigo busca articular reflexões a partir da teoria da interseccionalidade. Nesse campo, a questão da liberdade é um ponto importante e é antípoda do racismo. A forma pela qual as mulheres negras afirmam a liberdade, individual ou coletivamente, produz resultados políticos e sociais. Neste artigo buscamos analisar a percepção da liberdade no cotidiano. Foram entrevistadas mulheres negras de diferentes níveis de escolaridade, em idade reprodutiva, residentes do sudoeste baiano. A liberdade se apresenta como uma possibilidade que advém de conquistas econômicas e sociais. É, nesse sentido, resultante de lutas coletivas e sociais. O racismo é, então, uma barreira importante a ser considerada a partir da teoria da interseccionalidade. A estruturação de sentidos e significados construídos nas narrativas do cotidiano pode auxiliar na compreensão das condições sociais e de vida das mulheres negras e orientar hipóteses de pesquisa e de ação política.

Links

PhilArchive



    Upload a copy of this work     Papers currently archived: 94,420

External links

Setup an account with your affiliations in order to access resources via your University's proxy server

Through your library

Similar books and articles

Justiça e Liberdade em Hegel.João Alberto Wohlfart - 2014 - Clareira: Revista de Filosofia da Região Amazônica 1 (2):71-89.

Analytics

Added to PP
2021-07-07

Downloads
23 (#683,625)

6 months
6 (#731,878)

Historical graph of downloads
How can I increase my downloads?

Author's Profile

Raquel Souzas
Universidade Federal da Bahia

Citations of this work

No citations found.

Add more citations

References found in this work

No references found.

Add more references