Conhecimento e política

[São Paulo, Brazil]: LeYa. Edited by Edyla Mangabeira Unger (2022)
  Copy   BIBTEX

Abstract

Fazer filosofia, para Roberto Mangabeira Unger, é pensar radicalmente. É insistir em tratar dos assuntos mais importantes, ainda que tenhamos de fazê-lo na fronteira do que seja possível pensar e dizer. Resignado ao colonialismo mental, o pensamento brasileiro não está acostumado a tal ousadia. Neste primeiro livro, Mangabeira leva o leitor pela mão e se oferece como guia de seu despertar para a ambição de compreender o mundo das ideias mais básicas e influentes. Seu alvo é rever tudo em nossos pontos de partida – na filosofia e na política – que negue ou desmereça nossa capacidade, como indivíduos e como povo, de criar o novo. O livro ressoará num Brasil que está pronto para se repensar e se refazer, e a passar pela desilusão da desilusão. Não à toa, o nosso autor trará ao título e ao cerne da sua análise e proposição dois conceitos (e práticas) hoje atacados pelo ideário totalitário: o conhecimento e a política. Conhecimento e política, publicado em 1975, foi o primeiro livro de Roberto Mangabeira Unger. A editora LeYa Brasil o publica novamente agora, na tradução primorosa da mãe do autor, a poetisa Edyla Mangabeira Unger, para dar início à reedição de toda a obra de Mangabeira no Brasil, uma obra que se mantém atual e, ao mesmo tempo, visionária. O tema do livro é a superação do mais influente sistema de ideias no pensamento Ocidental desde a Renascença: conjunto de conceitos que abrange o individualismo e o liberalismo na política, o ceticismo e o subjetivismo na ética, e o empiricismo e positivismo na filosofia do conhecimento e da natureza. Desde que saiu da sombra de Aristóteles e do cristianismo, o pensamento ocidental se entregou, argumenta Mangabeira, à construção de uma maneira de pensar que o levou a contradições insolúveis e nos fez perder o rumo do esclarecimento e da emancipação. No centro dessas contradições está um equívoco a respeito de quem somos e de como nos relacionamos com o mundo. Pensamos a partir de regimes de pensamento, mas não temos de ser prisioneiros deles. Podemos subvertê-los e transformá-los para chegar mais perto da realidade. Precisamos participar de determinada sociedade e cultura. Nenhum regime social e cultural, contudo, nos serve como moradia definitiva. Daí a importância de construir um regime que facilite sua própria transformação. Nesta obra, Mangabeira iniciou a longa busca do roteiro das rebeldias libertadoras no pensamento e na política. E se levantou contra a tradição intelectual que continua a nos acorrentar.

Links

PhilArchive



    Upload a copy of this work     Papers currently archived: 91,349

External links

Setup an account with your affiliations in order to access resources via your University's proxy server

Through your library

Similar books and articles

Metamorfosis de la política: un diálogo con la teoría política contemporánea.Sergio Ortiz Leroux, Ángel Sermeño & Julieta Marcone (eds.) - 2015 - México, D.F.: Grupo de Investigación de Teoría y Filosofía Política.
Realizing 'Political' Neutrality.Robert Westmoreland - 2011 - Law and Philosophy 30 (5):541-573.
Política y gerencia.Fernando Gabaldón Roncajolo - 2008 - Mérida, Venezuela: Consejo de Estudios de Postgrado.

Analytics

Added to PP
2023-08-14

Downloads
9 (#1,224,450)

6 months
8 (#342,364)

Historical graph of downloads
How can I increase my downloads?

Citations of this work

No citations found.

Add more citations

References found in this work

No references found.

Add more references