Satyricon E memórias póstUmas de brás cubas : Uma leitura burlesca E cômica acerca dos vícios da sociedade


Abstract
Tentaremos analisar o riso burlesco, erótico e satírico da obra de Petrônio, característico da sátira menipéia e do conto milesiano, como nos atesta Enylton Sá Rego na obra O calundu e a panacéia:Machado de Assis, a sátira Menipéia e a tradição luciânica ( 1989) e, também, Ettore Paratore no livro História da literatura latina (1987). A incursão do riso no Satiricon segue um caminho erótico e libertino e, para embasar teoricamente essa questão, buscamos o estudo do filósofo francês Michel Foucalt com sua História da Sexualidade3: o cuidado de si ( 1988) e de do historiador Paul Veyne em seu artigo o Império Romano Nosso objetivo é confrontar passagens significativas de Brás Cubas com passagens semelhantes do Satiricon, sob a perspectiva, ou seja, através da visão do narrador-personagem. Por meio do sério-cômico e do distanciamento do estilo sátira menipéia, mostraremos que mesmo destituídas de intenções moralizantes de forma direta, ambas as obras fazem uma crítica ao comportamento da sociedade. Por fim, ao tratar o riso de Petrônio e Machado como uma forma de crítica social velada, tentarei mostrar que a obra inserida na categoria de sátira menipeia não precisa satisfazer necessariamente um caráter prosimétrico, ou seja, ser uma mistura de prosa e verso - já que, dessa forma, Memórias Póstumas estaria totalmente fora do estilo - mas, sim, estar dentro de um viés cômico-crítico em relação a sociedade de sua época
Keywords riso  moral  sátira  romance
Categories (categorize this paper)
Options
Edit this record
Mark as duplicate
Export citation
Find it on Scholar
Request removal from index
Translate to english
Revision history

Download options

Our Archive


Upload a copy of this paper     Check publisher's policy     Papers currently archived: 44,283
External links

Setup an account with your affiliations in order to access resources via your University's proxy server
Configure custom proxy (use this if your affiliation does not provide a proxy)
Through your library

References found in this work BETA

No references found.

Add more references

Citations of this work BETA

No citations found.

Add more citations

Similar books and articles

O romance antigo E sua proposta de pedagogia erótica.Ana Paula Cardoso Vasconcelos - 2009 - Principia: Revista do Departamento de Letras Clássicas e Orientais do Instituto de Letras 1 (18):75-82.
Epodos E sátiras – magia?: O olhar crítico de horácio E Machado de assis.Idemburgo Frazão - 2009 - Principia: Revista do Departamento de Letras Clássicas e Orientais do Instituto de Letras 1 (18):61-73.
As elites romanas E os libertos – as representações do patronato no satyricon.André Eduardo da Silva Soares - 2011 - Principia: Revista do Departamento de Letras Clássicas e Orientais do Instituto de Letras 2 (23):103-114.
Voltaire e a sátira.Roberto Romano - 1997 - Trans/Form/Ação 20 (1):7-38.
A sátira X, de Juvenal.Amós Coêlho da Silva - 2009 - Principia: Revista do Departamento de Letras Clássicas e Orientais do Instituto de Letras 1 (18):53-59.
O individualismo como estratégia de cuidado de si na sociedade de consumo.Rafael Silva Bianchi - 2011 - Cadernos Zygmunt Bauman - Issn 2236-4099 1 (1):20 - 33.
A recepçao biopolítica da obra de Hannah Arendt.Odílio Alves Aguiar - 2012 - Conjectura: Filosofia E Educação 17 (1):139-158.
Saturnalia. Juan de Salisbury y los Goliardos.Martín González Fernández - 2004 - Revista Española de Filosofía Medieval 11:213-226.
O riso como parte do método filosófico.Jens Soentgen - 1999 - Philósophos - Revista de Filosofia 4 (1):39-66.

Analytics

Added to PP index
2013-12-01

Total views
25 ( #349,892 of 2,270,950 )

Recent downloads (6 months)
1 ( #835,177 of 2,270,950 )

How can I increase my downloads?

Downloads

My notes

Sign in to use this feature