4 found
Order:
  1. Os princí­pios de verdade no Livro IV da Metafí­sica de Aristóteles.Nazareno Eduardo de Almeida - 2008 - Princípios 15 (23):05-63.
    la82 12.00 Normal 0 21 false false false PT-BR X-NONE X-NONE MicrosoftInternetExplorer4 /* Style Definitions */ table.MsoNormalTable {mso-style-name:"Tabela normal"; mso-tstyle-rowband-size:0; mso-tstyle-colband-size:0; mso-style-noshow:yes; mso-style-priority:99; mso-style-qformat:yes; mso-style-parent:""; mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt; mso-para-margin-top:0cm; mso-para-margin-right:0cm; mso-para-margin-bottom:10.0pt; mso-para-margin-left:0cm; line-height:115%; mso-pagination:widow-orphan; font-size:11.0pt; font-family:"Calibri","sans-serif"; mso-ascii-font-family:Calibri; mso-ascii-theme-font:minor-latin; mso-hansi-font-family:Calibri; mso-hansi-theme-font:minor-latin; mso-fareast-language:EN-US;} Este artigo mostra que o princípio primário da ciência do ente enquanto ente, apresentado e defendido por Aristóteles no Livro IV da Metafísica , é constituído pela bi-implicaçáo necessária (modal) entre os princípios de náo-contradiçáo e do terceiro excluído, (...)
    No categories
     
    Export citation  
     
    Bookmark   2 citations  
  2.  16
    Semantic Imagination as Condition to our Linguistic Experience.Nazareno Eduardo de Almeida - 2017 - Principia: An International Journal of Epistemology 21 (3):339-378.
    The main purpose of this article is, from a semiotic perspective, arguing for the recognizing of a semantic role of the imagination as a necessary condition to our linguistic experience, regarded as an essential feature of the relations of our thought with the world through signification processes ; processes centered in but not reducible to discourse. The text is divided into three parts. The first part presents the traditional position in philosophy and cognitive sciences that had barred until recent times (...)
    No categories
    Direct download (3 more)  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  3.  12
    Uma solução aristotélica para o paradoxo do mentiroso em Metafísica IV, 8.Nazareno Eduardo de Almeida - 2013 - Veritas – Revista de Filosofia da Pucrs 58 (3):429-466.
    É comumente aceito, atualmente, que Aristóteles não teria enfrentado ou tentado seriamente resolver o famoso paradoxo do mentiroso, embora ele tenha sido formulado por Eubúlides de Mileto, membro da escola megárica e rival filosófico de Aristóteles. No máximo, assim reza a visão tradicional, ele parece apenas fazer uma menção desse paradoxo nas Refutações sofísticas, Capítulo 25, talvez esboçando a sua solução. O meu intento, no presente artigo, é desafiar essa opinião geral mostrando que o Estagirita fornece uma explicação implícita para (...)
    No categories
    Direct download (4 more)  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  4.  14
    Outra batalha naval: Elementos para Uma Nova interpretação da fundamentação lógica E ontológica da liberdade em aristóteles (da interpretação, capítulo 9).Nazareno Eduardo de Almeida - 2009 - Veritas – Revista de Filosofia da Pucrs 54 (1).
    No categories
    Direct download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark