15 found
Order:
See also
Sagid Salles
Federal University of Rio de Janeiro (PhD)
  1.  27
    A Teoria Trivalente da Vagueza e o Problema da Precisão.Sagid Salles - 2019 - In Marcus José Alves de Souza & Maxwell Morais de Lima Filho (eds.), Escritos de Filosofia III: Linguagem e Cognição. Porto Alegre, RS, Brasil: pp. 184-200..
    Há pelo menos duas coisas que tornam o fenômeno da vagueza interessante. Primeiro, a vagueza está espalhada por toda a linguagem natural. Uma parte significativa das expressões de nossa linguagem são vagas e podemos encontrar a vagueza em expressões de diferentes categorias lógicas, como termos singulares, predicados e quantificadores. Por razões de simplicidade, contudo, ao longo deste artigo considero apenas o caso dos predicados vagos. Segundo, o fenômeno da vagueza está por trás de um difícil paradoxo, conhecido como Paradoxo Sorites. (...)
    Direct download (2 more)  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  2.  20
    Nomes Próprios: o princípio de Russell e o argumento semântico.Sagid Salles - 2020 - Prometeus: Filosofia em Revista 33: 231-255.
    I have two main goals in this paper. First, I develop a version of Theory of Identification for the reference of proper names, one which comes from Strawson and Evans. The theory is not developed in detail, but its central elements are revealed, focusing on its treatment of the phenomenon of reference borrowing. At the center of this theory is Russell’s Principle which, applied to the reference of proper names, states that the identification of the named object is a necessary (...)
    Direct download (2 more)  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  3.  17
    O que é ser uma pessoa de centro em política?Sagid Salles - 2020 - In Rodrigo Reis Lastra Cid (ed.), Uma Ideologia de Centro. Porto Alegre, RS, Brasil: pp. 58-73.
    Meu objetivo neste ensaio é apresentar uma definição do que é ser uma pessoa de centro. De acordo com minha proposta, ser uma pessoa de centro é ser um caso de fronteira entre ser uma pessoa de direita e ser uma pessoa de esquerda. Esta definição envolve três conceitos: os conceitos de pessoa de direita e pessoa de esquerda, e o conceito de casos de fronteira. Deste modo, boa parte da discussão é voltada para uma caracterização dos últimos. O resultado (...)
    Direct download (2 more)  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  4.  15
    Nota Sobre o Frege de Evans.Sagid Salles - 2019 - Investigação Filosófica 10:39-46.
    Evans famosamente declarou que Frege não aceitou a possibilidade de sentido sem referente, o que significa que ele não foi tão tolerante com nomes vazios quanto comumente se pensa. Um problema central para a tese de Evans é que Frege diz explicitamente que aceita esta possibilidade, e parece que ele de fato foi tolerante com nomes vazios. Neste artigo, defendo que a solução de Evans para este problema implica que Frege estava comprometido com uma explicação implausível das frases contendo nomes (...)
    Direct download (2 more)  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  5.  25
    O Sentido da Vida e o Propósito de Deus.Sagid Salles - 2010 - Fundamento: Revista de Pesquisa Em Filosofia 1 (1): 84-110.
    Este artigo trata de três objeções à teoria do propósito. Essa teoria afirma que o único sentido que a nossa vida pode ter é satisfazer um propósito que Deus nos atribuiu. A primeira objeção que trabalharei afirma que seria incompatível com a bondade de Deus que Ele nos punisse por não cumprirmos o seu propósito. A segunda sugere que a oferta de um céu por cumprirmos o seu propósito seria ofensiva, poderia ser encarada como exploração. Por fim, a última é (...)
    Direct download (2 more)  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  6.  12
    Pode a Linguagem Salvar Hobbes de um Paradoxo?Sagid Salles - 2018 - Argumentos 10: 74-86.
    T. A. Heinrichs sustentou que a análise de Hobbes da experiência e do pensamento dá origem a um aparente paradoxo. O paradoxo consiste no fato de que Hobbes teria reivindicado descobertas que a sua teoria implica que não poderiam ser feitas. Para resolver o problema, Heinrichs argumenta que a teoria hobbesiana da experiência e pensamento deveria ser interpretada com base em sua teoria da linguagem, no sentido forte de que suas descobertas são de fato descobertas sobre a linguagem. Neste artigo (...)
    Direct download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  7.  20
    Vagueness: Tolerance and Incoherence.Sagid Salles - 2015 - Fundamento: Revista de Pesquisa Em Filosofia 1 (10):65-84.
    In this paper I will argue that to accept the principle of tolerance does not provide us with a good explanation of the phenomena of vagueness. I will be mainly concerned with the incoherentist strategy, which accepts tolerance and the consequent incoherence of vague predicates. In fact, incoherentism seems to be the most plausible way of accepting tolerance. Because of this, the rejection of incoherentism might be seen as a way to rescue the alternative theories from the objection that they (...)
    Direct download (2 more)  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  8.  18
    O Problema da Vagueza.Sagid Salles - 2016 - Fundamento: Revista de Pesquisa Em Filosofia 1 (12):139-174.
    Este artigo é uma introdução crítica ao problema da vagueza. Não vou explicar ou avaliar as teorias da vagueza aqui. Meu objetivo é introduzir e discutir o próprio problema, com o intuito de alcançar uma formulação clara do mesmo. Minha formulação tornará claro quais condições uma teoria ideal da vagueza deveria satisfazer, assim como os principais obstáculos para desenvolver teorias que satisfaçam estas condições.
    Direct download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  9.  15
    Argumento Cético contra os Argumentos Ontológicos.Sagid Salles - 2010 - Investigação Filosófica 1 (1):1-21.
    Meu objetivo neste texto é apresentar uma resposta cética ao argumento ontológico tal como aparece em algumas de suas principais variações. O que todas essas variações têm em comum é tentar provar a existência de Deus a priori. Sustentarei que o sucesso de qualquer argumento desse tipo depende de dois pressupostos fundamentais, o primeiro é que existência é uma propriedade e o segundo que é uma perfeição. Mesmo aceitando que existência seja uma propriedade, recusarei que possamos saber se ela é (...)
    Direct download (2 more)  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  10.  10
    Nomes Próprios: por que a teoria causal de Perry não dá conta da retenção de crenças.Sagid Salles - 2016 - Investigação Filosófica 4:6-29.
    Tenho dois objetivos principais neste texto. Primeiro, defenderei que a versão de Perry da teoria causal da referência não dá conta de casos de retenção de crença. Faço isto por meio de um contraexemplo à teoria de Perry. Segundo, defenderei que uma versão específica de teoria da identificação é capaz de lidar com o contraexemplo apresentado e, neste sentido, é superior à teoria de Perry.
    Direct download (2 more)  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  11.  12
    Fazendo de conta que vulcano não existe.Sagid Salles - 2015 - Philósophos - Revista de Filosofia 20 (2):171-196.
    My goal in this paper is to present and analyze some versions of make-believe theories for singular negative existentials. I will quickly present Evans’ perspective and, in greater detail, the perspectives of Kroon and Walton. I will claim that neither Evans nor Walton provide the right account of the phenomenon of singular negative existentials, and that Kroon’s perspective is better than both. However, I will argue that the three theories have the same problem, which I call the problem of semantic (...)
    Direct download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark   1 citation  
  12.  26
    Introdução à teoria das descrições de Russell.Sagid Salles - 2010 - Critica 1.
    Usamos cotidianamente um conjunto de expressões para captar, selecionar ou referir uma determinada coisa particular e podermos em seguida dizer algo sobre essa coisa. Expressões desse tipo incluem nomes próprios, como “Platão” ou “João”, descrições definidas, como “o rei da França” ou “o autor da República”, demonstrativos, como “este” ou “isto”, etc. O uso cotidiano de tais expressões pode parecer não envolver problema filosófico algum. Afinal, o que poderia haver de mais banal? Mas, infelizmente (ou felizmente?) há problemas filosóficos dificílimos (...)
    Direct download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  13.  7
    Terá Rawls refutado o utilitarismo?Sagid Salles - 2012 - Critica 1.
    Em 1971 era publicada uma obra que se tornaria muito importante nas discussões de filosofia política. O nome dessa obra é Uma Teoria da Justiça e seu autor John Rawls. Ao longo das aproximadas seiscentas páginas do livro, Rawls apresenta e defende a perspectiva que chamou de “Justiça como Equidade”. Rawls considera, e menciona-o logo no prefácio (tanto da edição original como da revista), que a sua teoria pretende ser uma alternativa à teoria utilitarista. Assim, uma parte do seu projeto (...)
    Direct download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  14.  6
    Gibbard e a identidade contingente.Sagid Salles - 2008 - Criticanarede 1.
    Um pedaço de barro solta-se de um grande barranco, formando por coincidência, e ao mesmo tempo, uma estátua de Machado de Assis. Três dias depois a estátua é completamente destruída; ao ser atingida por um machado ela se parte em vários pedaços. Chega ao fim, então, a existência tanto da estátua como do pedaço de barro da qual ela é feita. Notemos que ambos vieram a existir ao mesmo tempo e também ao mesmo tempo deixaram de existir. No período de (...)
    Direct download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  15. Em defesa de um conceito pluralista de felicidade, a partir de Stuart Mill.Sagid Salles & D. G. Alves Júnior - 2008 - Revista da Pesquisa and Pós-Graduação (UFOP) 8 (2):40-45.
    O objetivo deste texto é responder a uma objeção comum à doutrina utilitarista. Essa doutrina é comumente descrita como aquela que aceita que a ação moralmente correta é a que promove a maior felicidade possível para as pessoas envolvidas. A objeção que trabalhamos aqui nega a afirmação utilitarista de que a felicidade é o único fim da vida humana. Diferentes respostas podem ser formuladas de acordo com o modo que definimos o bem ou a felicidade. Sustentaremos que a versão da (...)
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark