Authors
Konrad Utz
Universidade Federal do Ceará
Abstract
A questão “por quê ser moral”, que foi formulada expressamente no contexto do debate filosófico acadêmico por Francis Herbert Bradley, divide os leitores quando buscam sua resposta em Kant. Uns acham, como Gerold Prauss, que Kant negue a possibilidade de tal resposta e diga que a moral precisa ser aceita como um fato simplesmente dado, o “fato da razão”. Contudo, como tal imediatismo ou “decisionismo transcendental” parece insatisfatório, um outro grupo defende a assim chamada “interpretação do agente racional”, onde este último apresenta o valor supremo, absoluto, que fundamenta a moral e, com isso, apresenta a razão em virtude da qual devemos agir moralmente. Mas tal valor absoluto ou já é moral, mas então a resposta dada à questão “por quê ser moral” entra num círculo vicioso. Ou tal valor faz a moral depender de algo fora da moral o que, conforme Kant, destruiria toda moral. A solução do problema é a seguinte: Kant não deriva a moral de um pressuposto extramoral nem pressupõe a própria moral como simplesmente dada, mas explica o originar da moral. Ela origina da razão prática pela volta dessa razão sobre si mesma que constitui sua autonomia. Por este seu originar, a moral não é uma mera derivação de algo pressuposto, mas algo radicalmente novo, original, autónomo. Pelo outro lado, existe, sim, uma fundamentação da moral, i.e., um processo compreensível de sua constituição. Com isso, Kant evita o imediatismo: a moral não precisa ser simplesmente aceita como um fato puro, mas pode ser compreendida pela razão.
Keywords Kant   Fundamentação da moral   “Por quê ser moral?”   Autonomia
Categories (categorize this paper)
ISBN(s)
DOI 10.5007/1677-2954.2018v17n1p81
Options
Edit this record
Mark as duplicate
Export citation
Find it on Scholar
Request removal from index
Translate to english
Revision history

Download options

PhilArchive copy

 PhilArchive page | Other versions
External links

Setup an account with your affiliations in order to access resources via your University's proxy server
Configure custom proxy (use this if your affiliation does not provide a proxy)
Through your library

References found in this work BETA

No references found.

Add more references

Citations of this work BETA

No citations found.

Add more citations

Similar books and articles

Razão E Moral Em Kant.Hildemar de Araújo Bezerra - 2014 - Dialektiké 1 (1):81-88.
Kant Eo Sentimento Moral-Kant and the Moral Sentiment.Keberson Bresolin - 2012 - Conjectura: Filosofia E Educação 17 (1).
Kant e o sentimento moral.Keberson Bresolin - 2012 - Conjectura: Filosofia E Educação 17 (1):42-67.
Resposta à Pergunta: Por que Devemos Agir Moralmente?Luiz Paulo Rouanet - 2011 - Ethic@ - An International Journal for Moral Philosophy 10 (1):97-107.
Is Kant a Moral Constructivist or a Moral Realist?Paul Formosa - 2013 - European Journal of Philosophy 21 (2):170-196.
O Sumo Bem E a Lei Moral.Gabriel Almeida Assumpção - 2017 - Aufklärung 4 (2):107-120.
A Demanda Racional da Ética de Kant No Início de 1760.Bruno Cunha - 2017 - Ethic@ - An International Journal for Moral Philosophy 16 (2):219-242.
Mal radical e psicologia moral em Kant segundo John Rawls.Aguinaldo Pavão - 2013 - Ethic@ - An International Journal for Moral Philosophy 12 (1):101-111.
Fundamentação moral do liberalismo político de Rawls.Thadeu Weber - 2016 - Ethic@ - An International Journal for Moral Philosophy 15 (3):398-417.

Analytics

Added to PP index
2019-07-06

Total views
29 ( #340,686 of 2,344,158 )

Recent downloads (6 months)
17 ( #38,104 of 2,344,158 )

How can I increase my downloads?

Downloads

My notes